DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

TEMPOS MODERNOS: A MECANIZA√á√ÉO DAS EMO√á√ēES

No √ļltimo ENAGECEF, a presidente do Condel, Deosinedes Mognato, falou da mecaniza√ß√£o das emo√ß√Ķes: ¬ďO filme Tempos Modernos nunca fez tanto sentido¬Ē. Com o ass√©dio moral debatido no evento, a campanha da FENAG e da CVV, GESTORES EM PAUTA a entrevistou a fim de aprofundar o tema no universo dos gestores da CAIXA.

Voc√™ falou sobre a necessidade da humaniza√ß√£o das rela√ß√Ķes nas empresas. Qual √© a associa√ß√£o com o atual contexto dos bancos e o papel da FENAG?

Trouxe √† luz uma situa√ß√£o notada no primeiro dia de trabalho do Condel. Nas discuss√Ķes, muitos colegas estavam abrindo m√£o de condi√ß√Ķes b√°sicas que sempre lutamos como n√£o terceiriza√ß√£o e valoriza√ß√£o da carreira dos gestores por situa√ß√Ķes que amenizassem seu dia a dia laboral, mas arriscando conquistas hist√≥ricas da organiza√ß√£o do corpo funcional da CAIXA, em especial, do que buscamos como uma federa√ß√£o de associa√ß√Ķes que representam os gestores. Estamos entranhados no nosso cotidiano e agimos de modo mec√Ęnico sem questionar. Isto nos torna mecanizados. Cumprimentamos de forma autom√°tica e guardamos a resposta em uma caixa sem tratar de modo humano. E pior: fazemos isso com n√≥s mesmos. Estamos guardando as emo√ß√Ķes e agindo como esperam de n√≥s, mecanizando-as. A caixa de emo√ß√Ķes n√£o √© visitada pelo dono nem pelos colegas de trabalho. Muitas est√£o transbordando e adoecendo v√°rios gestores. H√° muitos relatos de colegas com s√≠ndrome de p√Ęnico e problemas de sa√ļde ligados ao adoecimento das emo√ß√Ķes. Somos humanos e precisamos express√°-las, mas n√£o como reflexos das a√ß√Ķes que o mundo corporativo exige. O ambiente banc√°rio, pelas particularidades das atividades di√°rias exigidas dos profissionais, sobretudo do corpo gerencial, √© prop√≠cio para promover esta mecaniza√ß√£o. Da√≠ a import√Ęncia de trazer esta preocupa√ß√£o √†s AGECEFs e √† FENAG. Neste ENAGECEF, o Condel aprovou a proposta de trabalharmos o Ass√©dio Moral. Acredito que o assediador e o assediado, gestores ou n√£o, j√° estejam com emo√ß√Ķes adoecidas, por isso, suas a√ß√Ķes s√£o inadequadas. A FENAG lan√ßou, na data de encerramento do Setembro Amarelo, a campanha nacional ¬ďAss√©dio Moral - A dor invis√≠vel √© a mais cruel¬Ē. A ideia √© contribuir para um ambiente colaborativo saud√°vel de respeito e valoriza√ß√£o das pessoas ao alcance dos objetivos empresariais, onde as rela√ß√Ķes profissionais se deem em bases de emo√ß√Ķes humanizadas e prof√≠cuas.

Uma das mesas tem√°ticas de debate discutiu gest√£o de pessoas e ass√©dio. Que contribui√ß√Ķes trouxeram e quais delibera√ß√Ķes a serem encaminhadas pelo Condel?

Os debates s√£o sempre muito ricos, pois trazem as percep√ß√Ķes e realidades de v√°rias regi√Ķes do pa√≠s. Foi reavivado o grupo de trabalho sobre Ass√©dio Moral e acrescentadas as discuss√Ķes que tratem ass√©dio sexual. Das a√ß√Ķes, a mais importante √© a campanha da FENAG.

Que leitura o Movimento Gestor faz da evolu√ß√£o exponencial da intelig√™ncia artificial no sistema financeiro que demanda novas habilidades e atua√ß√Ķes dos gestores dos bancos?

Teremos de trabalhar o ser humano como diferencial no competitivo mercado banc√°rio. Com a crescente evolu√ß√£o digital e a consequente redu√ß√£o de postos de trabalho, esta realidade alerta que √© preciso mudar a forma de pensar, saindo do cotidiano operacional e atuar de forma estrat√©gica, utilizando a intelig√™ncia artificial como uma ferramenta e n√£o o contr√°rio; sair da posi√ß√£o de v√≠tima para a√ß√£o proativa em que o preparo e a busca por conhecimento far√£o a diferen√ßa. Teremos que dominar o conhecimento de mercado financeiro, nos preparando para sermos consultores dos clientes, espa√ßo que a tecnologia poder√° nos ajudar. Teremos de estudar e nos aperfei√ßoar na arte de se relacionar com os seres humanos, buscando forma√ß√Ķes em neorolingu√≠stica e neorossem√Ęntica e, logo, percebermos o cliente como ele √©: um ser humano com hist√≥ria, sonhos e objetivos, em especial, financeiros e econ√īmicos e, assim, continuaremos a coabitar neste mercado harmonicamente com a intelig√™ncia artificial.

Que mensagem você transmite aos associados da AGECEF/SP?

Valorize a for√ßa do coletivo, seja proativo em suas bases, busque conhecer o ser humano, em especial, a si pr√≥prios, pois seu cotidiano ser√° mais tranquilo. A gest√£o da emo√ß√Ķes √© a base da vida saud√°vel no ambiente pessoal e profissional. H√° profissionais preparados para nos ajudar como coach ou buscando cursos de neorolingu√≠stica. Por experi√™ncia, minha atua√ß√£o como gestora ficou mais leve ap√≥s minha forma√ß√£o em neorolingu√≠stica e em coach com aplica√ß√£o de nerossem√Ęntica. Obtive reflexos positivos na vida profissional e pessoal. √Č necess√°rio investir nas pessoas, na aten√ß√£o que damos, nas nossas emo√ß√Ķes e rela√ß√Ķes.

Na CAIXA - Deosinedes aposentou-se como Gerente Geral em mar√ßo ap√≥s quase 30 anos, 18 na gest√£o. Iniciou a carreira de gestora como gerente de relacionamento. Passou pelas Ag√™ncias Itarana, Jucutuquara, Praia do Canto, Beira Mar, Laranjeiras da Serra, Bento Ferreira e Goiabeiras, al√©m do setor de Patrim√īnio e Servi√ßos Gerais, no Esp√≠rito Santo. √Č administradora com √™nfase em Marketing, p√≥s-graduanda no MBA em Gest√£o Empresarial e formada em Neurolingu√≠stica e coach com √™nfase em neurolonguista e neorossem√Ęntica.
No Movimento Gestor - Ingressou em 2004 e sempre fez parte da diretoria da AGECEF/ES. Foi vice-presidente entre 2012/2013, presidente entre 2014/2015 e nesta gest√£o at√© dezembro. ¬ďBusamos construir uma chapa √ļnica. A diversidade tem um ambiente prop√≠cio quando a causa √© √ļnica. Como presidente, participei mais ativamente do movimento a n√≠vel nacional, onde nossas ideias e posicionamentos s√£o poss√≠veis, em especial, nas reuni√Ķes do Condel. Com o alinhamento de ideias, fui convidada para presidir o colegiado. A responsabilidade √© enorme, mas me sinto honrada com a confian√ßa. Busco dar retorno com meu trabalho e pensamento focado no coletivo e na melhora das condi√ß√Ķes de trabalho do colegas gestores e em causas macro como o acompanhamento da Gest√£o da FUNCEF e de uma CAIXA 100% p√ļblica¬Ē.