62¬į ENAGECEF

AGECEF/SP recebe 62¬ļ ENAGECEF

Cerca de 120 representantes de 31 AGECEF de todo o Brasil se reuniram na capital paulista.

A Associa√ß√£o de Gestores da Caixa Econ√īmica Federal de S√£o Paulo -AGECEF/SP foi, mais uma vez, a anfitri√£ do ENAGECEF - Encontro Nacional das Associa√ß√Ķes de Gestores da Caixa Econ√īmica Federal ¬Ė promovido pela FENAG Federa√ß√£o Nacional das Associa√ß√Ķes de Gestores da Caixa Econ√īmica Federal.

Esta foi a 62¬™ edi√ß√£o, e cerca de 120 gestores, representantes das 31 AGECEF filiadas de todo o Brasil estiveram reunidos no Hotel Novotel S√£o Paulo Jaragu√° Conventions, de 15 a 17 de mar√ßo de 2018, quando debateram suas condi√ß√Ķes de trabalho, relacionamentos institucional e parcerias, defesa da CAIXA e delibera√ß√Ķes de mais de 40 propostas advindas da base. Aquelas aprovadas, durante o Encontro, ser√£o encaminhadas √† dire√ß√£o da Empresa.

Reunião preparatória

Na primeira noite, a diretoria da FENAG realizou a tradicional reuni√£o preparat√≥ria para organizar a agenda do 62¬ļ ENAGECEF. Previamente ao encontro, foram realizadas consultas p√ļblicas com as bases que expressaram suas demandas e encontros regionais de AGECEF na ocasi√£o em que seus representantes se posicionaram sobre a concord√Ęncia com as propostas elaboradas.

Solenidade de abertura

O presidente da AGECEF/SP, Ed Marcos Saba, saudou, agradeceu a presen√ßa e desejou debates prof√≠cuos √†s comitivas e autoridades que compuseram a mesa de honra na abertura do Encontro: Rita Serrano, Representante eleita dos empregados no Conselho de Administra√ß√£o da CAIXA; Jair Pedro Ferreira, presidente da FENAE; Fernando Turino, presidente da Associa√ß√£o Nacional de Engenheiros e Arquitetos da CAIXA ¬Ė Aneac; √Ālvaro Weiler, presidente da Associa√ß√£o de Advogados da CAIXA ¬Ė Advocef, Naran Pe√ßanha de Ara√ļjo, Diretor de Tecnologia da Informa√ß√£o - DETEC da CAIXA; Ma√≠rton Ant√īnio Garcia Neves, presidente da FENAG; Deosinedes Mognato, presidente do Conselho Deliberativo da FENAG; Tatiana Saito, diretora regional da Associa√ß√£o de Auditores da CAIXA de S√£o Paulo ¬Ė Audicaixa e Rumiko Tanaka, Coordenadora Nacional de Negocia√ß√£o da Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Cr√©dito - CONTEC.

Ma√≠rton Ant√īnio Garcia Neves (AGECEF/CE), presidente da FENAG, tamb√©m cumprimentou os presentes pela participa√ß√£o, referendou Rumiko Tanaka pelo esp√≠rito feminino de luta, exaltou o gigantismo da CAIXA e a diversidade de entidades representativas de empregados que possibilitam debates plurais, amplos e profundos. Ma√≠rton tamb√©m ressaltou o valor desta uni√£o e convocou todos a pensar no que podem fazer pela Funda√ß√£o dos Economi√°rios da Caixa Econ√īmica Federal - FUNCEF citando um prov√©rbio oriental: ¬ďtempos dif√≠ceis fazem homens fortes. Homens fortes trazem tempos f√°ceis. Tempos f√°ceis trazem homens fracos. Homens fracos fazem tempos dif√≠ceis. Ent√£o, bom que aqui estamos. Agora, podemos fazer algo pela Funda√ß√£o: escolher nossos gestores. Somos respons√°veis por nosso patrim√īnio e nosso futuro. Fa√ßamos nossa parte¬Ē.

A presidente do Conselho Deliberativo da FENAG, Deosinedes Mognato (AGECEF/ES), igualmente agradeceu aos colegas por se deslocarem de longas dist√Ęncias para participarem do evento, enfatizou a relev√Ęncia das pautas mencionando a situa√ß√£o e as elei√ß√Ķes FUNCEF, as queixas do Sa√ļde CAIXA sobre autoriza√ß√Ķes e reembolsos, cotidiano, estruturas e processos das redes e a responsabilidade desta gera√ß√£o de manter a CAIXA enquanto institui√ß√£o totalmente P√ļblica: ¬ďque mantenhamos propostas coletivas de bem comum, porque ¬Ďpara vencer desafios, √© preciso unir for√ßas¬í¬Ē, referenciando ao mote do encontro. Ainda, cumprimentou as participantes pelo M√™s das Mulheres e pediu um minuto de sil√™ncio em mem√≥ria da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco: ¬ďn√£o se trata de um ato isolado. Ela falava por toda a sociedade¬Ē.

Palestra magna ¬Ė A Jornada do Her√≥i

O professor Claudio Queiroz proferiu a confer√™ncia magna ¬ďA Jornada do Her√≥i¬Ē sobre a teoria do monomito de autoria do antrop√≥logo estadunidense Joseph Campbell (1904 ¬Ė 1987). O ex-gestor e atual instrutor gerencial e formador da CAIXA explicou os tr√™s atos da jornada c√≠clica dos mitos por quais todas as pessoas passam e, como exemplo, narrou sua pr√≥pria trajet√≥ria na Empresa. O professor falou sobre o impacto que os her√≥is exercem sobre as pessoas ao superarem adversidades, suas capacidades de resili√™ncia e a escassez de refer√™ncias chamando os gestores √† responsabilidade de liderar: ¬ďcarecemos de her√≥is, de l√≠deres. Precisamos de pessoas que nos inspire, estimule e conduza ao futuro que almejamos. N√≥s, gestores, temos a essa responsabilidade¬Ē.

Painel CAIXA

O diretor de Tecnologia da Informa√ß√£o - DETEC da CAIXA, Naran Pe√ßanha Ara√ļjo, falou sobre a instabilidade tecnol√≥gica e a transforma√ß√£o digital da Empresa. Segundo ele, os sistemas de tecnologia da CAIXA s√£o obsoletos, alguns criados h√° 30 anos, sem testes e homologa√ß√£o, gerando hoje, em m√©dia, 70 novas demandas diariamente e refletindo nos clientes e gestores das redes. O diretor afirmou que a solu√ß√£o, al√©m da inova√ß√£o das ferramentas tecnol√≥gicas, tamb√©m demanda de atualiza√ß√£o processual, pois os normativos s√£o de vinte anos atr√°s, e de nova forma√ß√£o de gestores, para tanto √© preciso ter proximidade com as redes para criar produtos alinhados com os canais de atendimento e obter feedbacks. No fim, esclareceu d√ļvidas e escutou sugest√Ķes da plen√°ria.

Painel Sa√ļde CAIXA

Paulo Roberto Sobrenome (AGECEF/CE), que foi membro do Conselho de Usu√°rios do Sa√ļde CAIXA e do Grupo de Trabalho FENAG ¬Ė Sa√ļde CAIXA, apresentou o resultado dos estudos realizados pelo GT. Paulo exp√īs as vantagens do benef√≠cio de assist√™ncia √† sa√ļde dos empregados da CAIXA sobre os planos do mercado brasileiro (o oitavo maior do mundo com mais de 10 milh√Ķes de benefici√°rios), como custo menor e inferior √† receita, e explicou que tais condi√ß√Ķes excepcionais levaram a CAIXA a propor o limite no custeio tamb√©m determinado nas controversas Resolu√ß√Ķes da Comiss√£o Interministerial de Governan√ßa e de Administra√ß√£o de Participa√ß√Ķes Societ√°rias da Uni√£o ¬Ė CGPar. ¬ďO Sa√ļde CAIXA √© sustent√°vel no atual modelo de custeio, com 300 mil vidas e um super√°vit de R$ 670 milh√Ķes, logo as justificativas apresentadas s√£o infundadas¬Ē, concluiu.

Painel FUNCEF

Integrante do GT FENAG ¬Ė FUNCEF e do Comit√™ de Investimentos da Funda√ß√£o sob a indica√ß√£o dos diretores eleitos, L√ļcio Fl√°vio Mour√£o (AGECEF/MS) destacou os esfor√ßos da Federa√ß√£o para enfrentar a crise na previd√™ncia dos empregados da CAIXA e fazer frente √† falta de informa√ß√Ķes qualificadas dos participantes. O ent√£o candidato √† diretoria da FUNCEF apresentou os principais dados levantados pelo GT em dois anos de estudos: discrep√Ęncia da avalia√ß√£o a laudo e a mercado de R$ 3,5 bilh√Ķes, falso super√°vit distribu√≠do sem a constitui√ß√£o das reservas exigidas, incha√ßo estrutural, inefici√™ncia nos sistemas e atua√ß√£o operacional da diretoria diagnosticados no relat√≥rio da Accenture, preju√≠zos nos Fundos de Investimentos e Participa√ß√Ķes ¬Ė FIPs e riscos de d√©ficits e de redu√ß√£o dos benef√≠cios dos planos REB e Novo Plano com a redu√ß√£o da meta atuarial. ¬ďA maioria dos participantes resgata suas reservas e muitos reduziram suas contribui√ß√Ķes para 5%. Falta educa√ß√£o previdenci√°ria¬Ē, alertou.

Propostas nacionais aprovadas

A reunião do Condel aconteceu em 16 de março quando presidentes e representantes designados das AGECEF debateram, deliberaram, votaram e aprovaram propostas, advindas das bases, para encaminhamento à direção da CAIXA

Plen√°ria final

Ap√≥s as vota√ß√Ķes, a presidente do Condel, Deosinedes Mognato, finalizou a plen√°ria anunciando as propostas nacionais aprovadas pelo colegiado para este ano e destacando que o ENAGECEF foi baseado em discuss√Ķes em torno de metas que refletem a transpar√™ncia, a efici√™ncia e a responsabilidade dos gestores da CAIXA.

O presidente da FENAG, Ma√≠rton Neves, tamb√©m lembrou que a classe gestora vem sendo demandada, cada vez mais, para solucionar pontos entre cidad√£os e a Empresa e aqueles de maior complexidade quanto √†s quest√Ķes socioecon√īmicas, pol√≠ticas e √©ticas do pa√≠s. Por fim, agradeceu a todos e enfatizou a import√Ęncia da unidade do Movimento Associativo e a valoriza√ß√£o da classe gestora. ¬ďO gestor CAIXA √© um agente p√ļblico extremamente valoroso, cuja presen√ßa se imp√Ķe pelas demandas da sociedade. O Movimento Associativo √© a seguran√ßa de que o direito ferido ou sob amea√ßa ter√° a resposta que for necess√°ria para garantir a democracia e o cumprimento da legisla√ß√£o constitucional¬Ē.

AGECEF/SP SEDIA ENCONTROS DA FENAG